Percepções cinematográficas: Para sempre Alice

segunda-feira, junho 29, 2015


A Dra. Alice Howland (Julianne Moore) é uma renomada professora de linguistica. Aos poucos, ela começa a esquecer certas palavras e se perder pelas ruas de Manhattan. Ela é diagnosticada com Alzheimer. A doença coloca em prova a a força de sua família. Enquanto a relação de Alice com o marido, John (Alec Baldwinse), fragiliza, ela e a filha caçula, Lydia (Kristen Stewart), se aproximam.


O filme me doeu do início ao fim. E doeu muito. Doeu porque a atriz soube transmitir exatamente o processo de degeneração sofrido pela personagem. Desde a primeira 'crise' de esquecimento, cada avanço da doença foi uma punhalada no meu peito.
Isso porque ela tinha tudo: seu conhecimento era sua maior virtude e aquilo que ela mais valorizava. Tenho um histórico um tanto quanto acadêmico na minha família e cresci ouvindo que conhecimento é a única coisa que nunca poderiam me tirar. Alice também, e é extremamente horrível perceber, junto com ela, que isso não é verdade. 
O filme te faz se perder em meio aos conflitos, a dor e o sofrimento vividos por essa família. É como uma teia, que vai sendo desfeita desde seu ponto mais interno, até o mais externo. A relação com o marido, que não consegue assistir o sofrimento da esposa e 'vira as costas' pra ela por isso. A filha mais rebelde, que se aproxima da mãe no momento mais improvável. É impossível não se indignar e se emocionar com o drama.
Ao mesmo tempo, não consegui deixar de trazê-lo para minha própria realidade. Perceber o quão fraca sou. Quão ínfima é minha existência. Olhar para todos os meus feitos, que me parecem tão grandiosos, e perceber que eles podem ser apagados como as ondas do oceano apagam as marcas na areia. 







Acho que a Julianne merece cada prêmio que recebeu pelo papel. Ela foi brilhante do início ao fim e soube passar toda a instabilidade da personagem. Representou com a maestria a mudança de uma mulher forte e independente, pra uma pessoa fragilizada e minimizada pela família, em condição da própria doença.


Posts que você pode gostar também

0 comentários

Posts populares do blog

Curta no Facebook!

Subscribe